ASSINE A PETIÇÃO PELA COMPOSTAGEM EM SÃO PAULO:

0 pessoas querem uma São Paulo mais sustentável, criativa e eficaz.
COMPOSTAGEM É RECURSO PRA CIDADE E QUALIDADE DE VIDA PARA SEUS CIDADÃOS!

Você sabia que SP joga 465 milhões de reais por ano no lixo? Hoje, praticamente 6 mil toneladas de sobras de alimentos e restos de poda são aterradas todos os dias. Isso tudo misturado com outros resíduos urbanos como pilha, fralda, lâmpada e, inclusive, resíduos recicláveis, causando aumento na emissão de carbono, potencial de contaminação e mais poluição.

Se passássemos a compostar, ou seja, reciclar plantas e restos de alimentos separadamente, além de economizar com o custo de aterros sanitários passaríamos a gerar receita para a cidade com a venda do composto orgânico.

Além disso, São Paulo já não tem mais espaço para aterrar tanto lixo. Precisamos urgentemente de um novo modelo de gestão e tratamento de resíduo que reduza o impacto ambiental dos aterros e que permita soluções mais criativas.

Para garantir a continuidade e ampliação das políticas e programas municipais já existentes, um grupo de voluntários -- técnicos, empreendedores, comunicadores e educadores ambientais -- criou os 6 Objetivos da Compostagem para SP, que trazem propostas eficientes e exequíveis para a nova gestão.

Portanto, para que o prefeito João Doria, o vice prefeito e Secretário de Prefeituras Regionais, Bruno Covas e o Secretário do Verde e Meio Ambiente, Gilberto Natalini, recebam essa demanda precisamos que milhares de pessoas assinem essa petição. Sua participação é fundamental para que a política da compostagem em nossa cidade seja ampliada. Assine já!








Compostar = Reciclar

Compostar é uma forma de reciclar plantas e restos de alimentos. É fazer com que esses resíduos virem adubo. É uma tecnologia natural que previne que esses resíduos contaminem a água, o solo e causem danos à saúde das pessoas.
Melhor que aterrar!

Aterrar resíduos orgânicos é varrer 52% de todo o lixo produzido em SP pra debaixo do tapete, contribuindo para o aumento na emissão de carbono e gerando mais poluição. Ao passo que compostar, além de ser menos custoso do ponto de vista ambiental, gera economia para o município.
Composto é Recurso

Além do impacto ambiental, a compostagem pode significar uma economia de cerca de 465 milhões de reais por ano aos cofres públicos. O composto produzido no processo é um excelente insumo para jardinagem e agricultura, e pode representar ganhos em receitas para a cidade.
Os 6 Objetivos da Compostagem para São Paulo:

1. Continuidade e Ampliação
Desde a criação do Plano Municipal de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de 2013, SP desenvolveu programas experimentais de tratamento de resíduos orgânicos. Ainda que altamente aprovados e bem sucedidos, alguns programas não foram continuados (como o Composta São Paulo) e outros não apresentam planejamento transparente de continuidade e ampliação.

2. Desenvolvimento do Setor
Na cidade de São Paulo, inúmeros empreendedores privados e comunitários da compostagem encontram barreiras regulatórias e econômicas para atuar. É de fundamental importância o reconhecimento, estímulo e suporte ao setor, por meio de ações regulatórias e políticas públicas efetivas.

3. Equipamentos Públicos
A Prefeitura Municipal tem obrigação de cumprir as regulamentações federais, estaduais e municipais de resíduos. Apesar de dispor de tecnologias para o devido tratamento de resíduos orgânicos gerados em repartições públicas, o município sequer estimula sua devida coleta e tratamento. É inadiável o início de ações nesta direção.

4. Utilização do Composto
Além de sequestrar carbono, o composto produzido em pátios de compostagem é um excelente insumo para jardinagem e agricultura, o que pode representar ganhos econômicos e ambientais significativos para o município. É mais que oportuna a criação de políticas de utilização de composto para o fomento da agricultura orgânica e para o engajamento dos munícipes na correta separação de resíduos orgânicos.

5. Segregação em 3 Frações
Segregar, coletar e tratar de forma diferenciada as 3 principais frações de resíduos sólidos urbanos (orgânicos, recicláveis secos e rejeitos). A fração orgânica representa mais da metade (52%) dos resíduos urbanos gerados e deve ser segregada na fonte e ter destinação específica para atender à Política Nacional de Resíduos Sólidos

6. Conselho Municipal
Decisões estratégicas e financeiras sobre resíduos sólidos precisam ser compartilhadas e tomadas em conjunto com a sociedade. A criação de um Conselho Municipal permitirá o devido controle social, preconizado na PNRS, trazendo transparência, continuidade e inovação para a gestão de resíduos sólidos no município.
POR QUE A MINHA SAMPA ABRAÇOU ESSA MOBILIZAÇÃO?

A Minha Sampa acredita que uma cidade sustentável precisa ser mais inteligente na maneira como gere e trata seus resíduos. A compostagem é o exemplo perfeito de tecnologia natural, barata e replicável que precisa de políticas afirmativas do setor público para continuar se desenvolvendo.

Para que a compostagem alcance todo seu potencial, é importante que o setor público facilite o caminho para que soluções apareçam cada vez mais na sociedade. Defendemos que decisões estratégicas sobre resíduos sejam compartilhadas e tomadas em conjunto com aqueles que já têm se mobilizado por esse tema.

A SP que queremos vem abraçando cada vez mais iniciativas de compostagem. Se os Objetivos de Compostagem forem cumpridos, certamente estaremos construindo uma cidade mais linda, mais inovadora e mais eficiente, como tem defendido a nova gestão.







Juntos podemos fazer uma São Paulo melhor
contato@minhasampa.org.br